Dez razões para aderir à computação na nuvem - Asplan Sistemas

Dez razões para aderir à computação na nuvem

A virtualização ou o chamado “cloud computing” é uma tecnologia que
surge misturada com propagandas voltadas a consumidores que não
demonstram aquele perfil tão técnico assim. Eu acredito que certas
tecnologias demoram a engrenar devido ao apelo mais técnico do que
comercial. Diferente dos iPads e iPhones que, apesar da revolucionária
tecnologia envolvida, apostam muito mais em design e facilidade de uso
do que em jargões, como os que são utilizados para a venda de
computadores, como, por exemplo, processador AQUON Tetra Core de 3Ghz,
LCD de 20 polegadas com 16 Gigabytes de memória e HD de 1 Terabit.
Note
bem, no mundo da tecnologia, ainda são utilizadas como argumento de
venda as especificações, e não o sonho ou a possibilidade. As pessoas
compram gigahertz e gigabytes sem saber ao certo o que isso pode fazer
por elas. E é aí que surge aquela pergunta: “Para que ter uma Ferrari,
se você não sabe dirigir?
Vou tentar ser o menos técnico possível,
apesar de saber que o texto atrairá em sua maioria pessoas de um perfil
um tanto técnico e não serei tendencioso a marcas e cheio de
especificações, como no artigo que li publicado em um site sobre o
assunto.
Dez razões que fazem a computação na nuvem tão legal:

1 Pague apenas pelo que você utiliza
Este
é um conceito que finalmente chega ao nosso alcance na parte
computacional. Por que comprar um CD com 20 músicas se gostei de apenas
três ou quatro? Com o rápido avanço da tecnologia, a maioria dos
computadores vendidos atualmente são super dimensionados para as nossas
necessidades.

Na parte empresarial, muitas vezes, são investidos
valores substanciais para comprar um servidor, com processamento,
armazenamento e memória muito além do que será utilizado. Geralmente é
apenas para rodar um aplicativo ou banco de dados, ou até mesmo para
servir de site da empresa. Há muito ficou provado que, a maioria das
empresas, mesmo as que têm servidores obsoletos, utilizam em média 20%
da capacidade real do computador, fazendo com que esta máquina seja um
investimento caro.

A realidade por trás da virtualização é bem
diferente. Sua proposta está exatamente no pague pelo uso, ou seja,
pague apenas na proporção de processador, memória e armazenamento que
você irá utilizar, pois, na verdade, aquele computador terá seu custo
repartido com vários outros usuários. Invertendo a possibilidade de
alocar a parte de um servidor e dividi-lo com outras empresas, está a
possibilidade de compra, mas utilizá-lo de forma a distribuir sua
capacidade com vários colaboradores em sua casa ou escritório,
instalando sistemas operacionais e aplicativos diferentes em uma mesma
máquina, com a mesma performance e capacidade de uma máquina
convencional.

2.Foto instantânea
Não estou falando sobre a
capacidade de a virtualização guardar as fotos de suas férias para
compartilhar com seus amigos, e sim da possibilidade de guardar momentos
imediatos em que sua máquina se encontra. Imagine aquele momento que
você instalou todos os aplicativos necessários para seu trabalho,
conectou em sua caixa de mensagens, adicionou os atalhos necessários em
seu navegador da web e baixou novas atualizações. Pense neste cenário
como uma foto que você desejasse ter sempre que sua máquina começasse a
ter um comportamento inesperado, executando operações ilegais e abrindo
sites que não deveriam aparecer em sua tela.

Quando seu computador
passa a atrapalhar mais do que ajudar em suas tarefas, simplesmente
pegue aquela foto que você tirou e, em apenas um clique e alguns
segundos, sua máquina volta a ser exatamente igual ao retrato que você
fez quando estava tudo funcionando perfeitamente. Há anos a indústria
luta com a deterioração dos sistemas operacionais e problemas de
atualizações indevidas, são muitas horas e dias ao telefone com o
suporte tentando resolver problemas insolúveis. Com este artifício, você
pode ficar indo e voltando no tempo para testar aplicativos e realizar
operações que poderiam deixar seu sistema operacional em risco, sem a
preocupação de reinstalar tudo.

3.Nuvem híbrida
Para aqueles
que ainda não se aprofundaram no conceito da virtualização, temos
atualmente a possibilidade de ter uma nuvem privada (infraestrutura de
virtualização interna na empresa) e a nuvem pública, mas existe a
possibilidade de utilizar ambas para termos uma nuvem híbrida. Alguns
ainda confundem o conceito de nuvem pública, que oferece aplicativos,
como banco de dados e e-mails, de forma não segura, com a utilização da
nuvem privada, sendo mais segura e servindo a propósitos limitados para
as empresas. A nuvem híbrida vem para quebrar essa limitação e falta de
segurança, permitindo que as empresas possam dimensionar a utilização da
infraestrutura, conforme o número de projetos administrados, de maneira
rápida e eficaz, permitindo que as duas nuvens coexistam com segurança e
escalabilidade necessária.

4.Alta disponibilidade e recuperação de desastres
Alta
disponibilidade e recuperação de desastres sempre foi algo que, mesmo
para grandes empresas, é dispendioso e complicado de implementar e
manter. às vezes, até para empresas de pequeno porte é essencial ter
garantias de que seu negócio não vai ficar parado pela queda de um raio
ou uma pane em seu provedor. Com a virtualização, a alta disponibilidade
pode ser ativada através de uma interface web ou, até mesmo, surgir
automaticamente e, da mesma forma, a recuperação de desastres se tornou
mais prática e barata. Mas cuidado ao depositar toda esta confiança ao
seu provedor de serviços, manter a informação ao seu alcance sempre será
o melhor negócio.

5.Não tem mais backup?
Este é aquele tipo de
palavra que sempre nos faz tentar entender por que ela é tão
importante, mas sempre é relegada a momentos de insatisfação, dúvida,
raiva e, para não lembrar, o total esquecimento. A palavra “restore”
então… Poucos sobreviveram para contar o resultado dela. Com a
virtualização, o conceito de backup pode ser finalmente automatizado de
forma segura. As empresas e usuários sabem que este é um processo árduo e
custoso e que não consegue se mostrar útil e eficaz, e isso passou a
ser feito automaticamente com muita eficiência.

6.Coloque a troca de servidores no passado
A
maioria das empresas mantém servidores com três anos de idade e têm
pesadelos constantes só de pensar em sua parada ou em ter que trocá-lo
um dia. Nós sabemos que a dor de cabeça causada terá que compensar sua
evolução. Imagine o trabalho de realizar a migração de um sistema
operacional antigo, seus arquivos e manter o sistema anterior
funcionando. Talvez por isso muitos acabam não aposentando o servidor
anterior até sua morte definitiva. Com a computação na nuvem, você
literalmente virtualiza seu servidor antigo em uma máquina nova e pode
fazer as migrações necessárias, totalmente imperceptíveis aos seus
usuários.

7.Catálogo de software
O surgimento das lojas de
aplicativos da Apple, Google e Microsoft continuam transformando a forma
como adquirimos produtos e serviços, e isso já é uma realidade no campo
da virtualização. Quando você precisar montar uma máquina com as
especificações determinadas pelo seu fornecedor, independente do sistema
operacional ou banco de dados e aplicativos necessários, bastará entrar
nesta loja on-line e buscar por uma máquina virtual que atenda aos
requisitos e ela ficará disponível instantaneamente para seu uso.

8.Importe e exporte
A
virtualização ainda pode ficar mais maravilhosa do que já é, e isto é
possível com a opção de enviar sua máquina inteira para a nuvem. Apesar
de possuirmos máquinas relativamente leves (10 GB+) e conexões não tão
rápidas assim (5 a 10 MB/s), ainda leva tempo mover da nuvem privada
para pública, mas é possível sair com sua máquina virtual inteira dentro
de um pen drive e levá-la para onde quiser.

9 Mude do fixo para o variável
Muitos
ainda tratam a tecnologia como um custo fixo e a maioria torce o nariz
para este recurso fundamental para existência de uma empresa. Imagine
você ter um novo projeto, que irá durar três meses em sua empresa, e ter
que montar dez novos pontos de trabalho para executá-lo. Na
virtualização, esses dez pontos podem ser montados instantaneamente, com
os aplicativos necessários, e podem ser redimensionados em qualquer
tempo. Mesmo na oscilação de seus usuários, a flexibilidade que a
virtualização permite em ligar ou desligar esses pontos de trabalho é de
longe o mais lucrativo para a empresa.

10. Salve tempo e dinheiro
A
computação na nuvem veio para ficar. E mesmo que você não tenha
identificado um bom uso para ela, certamente você não está voltado para
este papo de tecnologia, mas com certeza você deve entender que ela gera
economia, e isto todo mundo gosta. O mercado já oferece milhares de
opções de computação na nuvem e realmente fica difícil encontrar qual
delas trará resultado mais eficaz, algumas você até já utiliza, mas não
quantificou o ganho nisso. O importante é entender que, quanto mais você
aderir, mais produtivo e lucrativo será.

 *Humberto A. Izabela
possui 20 anos de experiência na área de tecnologia da informação, sendo
10 deles focados na informatização de pequena e médias empresas.
Criador do software Empresário trabalhou na informatização, consultoria e
suporte para mais de 30 mil empresas junto com o SEBRAE-SP, MG e PR e
também com a Federação do Comércio de São Paulo. Atualmente é diretor da
Promisys Soluções em Informática produtora do Software de gestão ERP
EASINESS é também Especialistas para pequenas e médias empresas pela
Microsoft e Silver Solution Advisor pela Citrix.

Fonte: http://www.erpnews.com.br/v2/vivvo_general/2323.html

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *