Open Finance

O que é Open Finance e como ele funciona?

Sem dúvida, a era digital trouxe uma grande revolução para o mercado financeiro. Essa tecnologia facilitou a entrada de novos players em ambientes que eram dominados apenas pelos bancos tradicionais. Isso aumentou a concorrência e a necessidade de compartilhar dados, razão pela qual nasceram o Open Banking e o Open Finance.

Mas afinal, qual o significado desses dois termos? Quais são os seus conceitos? Essa é uma dúvida de muitos brasileiros. Para esclarecer esse assunto, elaboramos este artigo. Com esse nosso material, você entenderá de vez o que é Open Finance. Vamos lá!

O que é Open Finance?

Open Finance é um programa desenvolvido pelo Banco Central do Brasil (Bacen) que tem como objetivo o compartilhamento de dados dos clientes entre instituições. Em uma tradução literal da língua inglesa, seria a abertura das finanças.

Além dos bancos tradicionais e fintechs, o Open Finance permitirá abertura de dados para várias instituições. Veja quais são elas:

  • plataformas de investimentos;
  • seguradoras;
  • fundos pensionistas;
  • fundos previdenciários.

Qual a diferença para o Open Banking?

A diferença entre Open Finance e Open Banking está nos envolvidos. Segundo definição do Bacen, “Open Banking é uma iniciativa regulatória que visa a aumentar a eficiência e a competição no âmbito do Sistema Financeiro Nacional por meio da padronização e digitalização do processo de compartilhamento de dados e serviços financeiros”.

No entanto, no seu lançamento, O Open Banking focava esse compartilhamento nos bancos e nas fintechs. Porém, o próprio Banco Central reconheceu que o mundo financeiro vai além dessas duas instituições, permitindo a entrada de outras modalidades.

Como funciona o Open Finance?

O Open Finance funciona somente por meio da autorização do cliente. O compartilhamento de dados acontecerá sempre que houver necessidade de assinaturas de novos contratos, na atualização de pacotes existentes, nos pedidos de concessão de crédito, entre outros.

Quais as vantagens?

As ações resultantes do compartilhamento de dados proporcionam benefícios tanto para as instituições quanto para os clientes. Sendo assim, todos os agentes envolvidos nesse processo lucrarão.

Conheça as vantagens para os clientes:

  • obtenção de melhores taxas de juros;
  • maior poder de escolha entre instituições;
  • comprovação de renda por meio de movimentações.

Conheça as vantagens para as instituições:

  • mais facilidade para conhecer o perfil dos clientes;
  • maior conhecimento da concorrência por meio de indicadores de gestão;
  • aumento da captação de clientes;
  • possibilidade de parcerias.

Por fim a chegada do Open X

O Open X é a continuidade da descentralização financeira por meio de uma junção. Nessa abertura, haverá a integração de Open Banking, Open Insurance e Open API.  Conheça o papel de cada um nesse ecossistema:

Open Banking – O Open Banking, por meio do Open Finance, manterá a proposta do programa do Banco Central, além de cuidar da transparência e acompanhar a proteção de dados dos clientes.

Open Insurance – O Open Insurance será o player responsável por cuidar dos processos de inovação e melhoria dos produtos e serviços do mercado de corretoras de seguros.

Open APIs – O Open APIs será a união das plataformas de programação. Permitirá uma conciliação de softwares, fazendo com que os programas falem a mesma língua para que se comuniquem com eficiência.

Com isso, o Open Finance oferecerá para os brasileiros possibilidade de melhores negócios financeiros. Essa abertura financeira, certamente, colocará um fim no monopólio dos gigantes que dominaram o mercado financeiro por muitos anos. Dessa maneira, teremos em mãos uma economia mais justa e transparente.

Gostou do assunto? Faça um comentário. Gostaríamos de saber a sua opinião, ela é muito importante para nós.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *